Free Translation Widget

Home

Loja Virtual

Apostilas

Cadastre-se

Contato

 

::: MENU :::

 » A Umbanda

 » Os Orixás

 » Entidades e Falanges

 » Linha do Oriente

 » Sincretismo

 » Exú e Pomba-Gira

 » Zé Pelintra

 » As Ervas na Umbanda

 » Defumador

 » Fumo e Bebidas

 » Mediunidade

 » A Glândula Pineal

 » Os Chacras

 » Mensagens

 » Artigos

 » Orações e Preces

 » Rezas e Benzeduras

 » Temas Variados

 » Pontos Cantados

 » Letras de Pontos

 » Pontos Riscados
 » Datas Comemorativas
 »  Apostilas
 » Campanhas
 » Cadastre-se

::: AVISO :::

::: CONFIRA :::

 

::: IMPORTANTE :::

 

 

::: PARCERIAS :::

::: Visitas desde 15/10/2007 :::

 free counters

 


15 DE AGOSTO - NOSSA SENHORA DA GLÓRIA

(ASSUNÇÃO DE NOSSA SENHORA)

 

 

Autor: Lara Lannes

Equipe Genuína Umbandanuinaumbanda.com.br

 

Oração a Nossa Senhora da Glória

 

Ó Dulcíssima Soberana, Rainha da Glória, bem sabemos que, miseráveis pecadores, não éramos dignos de Vos possuir neste vale de lágrimas, mas sabemos também que a Vossa grandeza não Vos faz esquecer a nossa miséria e no meio de tanta glória a Vossa compaixão longe de diminuir, aumenta cada vez mais para conosco. Do alto desse trono de onde reinam sobre todos os Anjos e Santos, volvei para nós os Vossos olhos misericordiosos e Vêde a quantas tempestades e mil perigos estaremos sem cessar expostos até o fim de nossa vida! Pelos merecimentos de Vossa bendita morte, obtendo-nos o aumento de fé, de confiança e da santa perseverança na amizade de Deus, para que possamos ir um dia beijar os Vossos pés e unir as nossas vozes às dos Espíritos celestes, para Vos louvar e cantar a Vossa glória eternamente no Céu. Assim seja.

 

Pedido para livrar-nos da maldade dos nossos inimigos, das doenças infecciosas, e da morte súbita

 

Nossa Senhora da Glória, ornada das mais fulgurantes estrelas do firmamento, sentada em vosso trono na corte do Altíssimo.

Vinde em meu socorro, amparai-me nas tribulações, protegei-me contra as ciladas do Espírito das trevas, acorrei em meu auxilio.

Nossa Senhora da Glória, graças vos sejam dadas, louvores sejam entoados à vossa pureza, Santa Mãe de Nosso Senhor Jesus Cristo que padeceu e morreu na cruz pelos nossos pecados.

Livrai-me, Senhora, da maldade dos meus inimigos.

Livrai-me das doenças Infecciosas. Livrai-me da morte súbita. Vinde em meu auxílio na hora da minha morte.Amem.

 

Dia 15 de agosto celebra-se Nossa Senhora da Glória, cuja figura representa o ato da assunção corpórea da Virgem Maria.

 

Embora representada de maneiras diferentes, no caso da representação da Virgem Maria em Nossa Senhora da Glória o significado está na glorificação de Maria, assunta ao Céu, coroada como Rainha da Glória. Por isso mesmo sua representação é feita trazendo uma coroa na cabeça, um cetro na mão e nos braços o Menino Jesus.

 

Há 58 anos o Papa Pio XII proclamou o dogma da Assunção corpórea: "Depois de elevar a Deus muitas e reiteradas preces e de invocar a luz do Espírito da Verdade, para glória de Deus onipotente, que outorgou à Virgem Maria sua peculiar benevolência; para honra do seu Filho, Rei imortal dos séculos e vencedor do pecado e da morte; para aumentar a glória da mesma augusta Mãe e para gozo e alegria de toda a Igreja, com a autoridade de nosso Senhor Jesus Cristo, dos bem-aventurados apóstolos Pedro e Paulo e com a nossa, pronunciamos, declaramos e definimos ser dogma divinamente revelado que a Imaculada Mãe de Deus e sempre Virgem Maria, terminado o curso da sua vida terrena, foi assunta em corpo e alma à glória do céu". (Constituição Munificentissimus Deus, 1º de novembro de 1950).


A festa litúrgica é celebrada desde a antigüidade, no Oriente e no Ocidente. Os ortodoxos também a celebram com o nome de Dormição
da Mãe de Deus (Theotókos), os armênios a celebram no 3º domingo de agosto. Embora a Igreja ortodoxa não considere a assunção corpórea um dogma de fé, também crêem que ela foi levada aos céus de corpo e alma.

 

No Rio de Janeiro, a devoção a Nossa Senhora da Glória surgiu no início do século XVII, alguns anos após a fundação da cidade, no ano de 1608. Mas, as origens históricas remontam a 1671. O ermitão Antonio Caminha, natural do Aveiro, esculpiu a imagem da Virgem em madeira e ergueu uma pequena ermida no "Morro do Leripe", onde já existia a gruta, formando-se em torno um círculo de devotos.

 

Diz a lenda que para presentear o rei D. João V, Caminha fez uma réplica da imagem embarcando-a para Portugal. O navio que a transportava naufragou e as ondas a levaram para uma praia na cidade de Lagos, no Algarve. Aí frades capuchinhos a recolheram, levando-a para o convento onde é cultuada até os dias atuais, na Igreja de São Sebastião.

 

 

ODÔIA IEMANJÁ! ODOFEIABÁ!

 

 

Odoiá, Odoiá, Iemanjá
Rainha das Ondas, sereia do mar.
Como é belo seu canto, senhora!
Quem escuta chora, mãe das águas,
do oceano, soberana das águas.
Dê-me sucesso, progresso e vitória.
Abra meus caminhos no amor e cuide de mim.
Que as águas sagradas do oceano lavem minha alma e meu ser.
Abençõe, mãe, minha família e meus amigos.
Permita que o amor seja nossa maior fonte de energia.
Sou suas águas, suas ondas, e a senhora cuida dos meus caminhos.
Iemanjá, em seu poder eu confio.

 

 

 

Dia 15 de Agosto comemora-se o dia de Nossa Senhora da Glória que é sincretizada com Iemanjá na Umbanda (de acordo com o calendário oficial de Umbanda).

 

É o único Orixá que tem sua imagem própria nos Altares, dispensando o sincretismo como acontece com os demais Orixás: Uma bela Mulher, saindo das águas do Mar, com vestimenta em Azul Claro, com o Colo Nu, espargindo estrelas de ambas as mãos.

 

Na verdade, a data comemorativa para Iemanjá varia de região para região, sendo tanto em 15 de agosto, quanto em 02 de fevereiro, 08 de dezembro, ou ainda, na passagem do ano.

No Rio de Janeiro, revencia-se a Mãe d´Água em 15 de agosto. Em São Paulo, a maior comemoração é no dia 08 de dezembro, na Praia Grande.

Em Salvador, ocorre anualmente, no dia 02 de fevereiro, dia de Nossa Senhora da Candeia, uma das maiores festas do país em homenagem à Rainha do Mar. A celebração envolve milhares de pessoas que, trajadas de branco, saem em procissão até à foz do rio Vermelho, onde depositam variedades de oferendas, tais como espelhos, bijuterias, comidas, perfumes e toda sorte de agrados.

Em 08 de dezembro, ocorre a festa de Nossa Senhora da Conceição da Praia, padroeira da Bahia. Nesse dia, feriado municipal em Salvador, também é realizado, na praia da Pedra Furada, no bairro do Monte Serrat (também chamado Boa Viagem), a festa do presente de Iemanjá, manifestação popular que tem origem na devoção dos pescadores locais.

No Rio Grande do Sul a comemoração é no dia 02 de fevereiro, onde, Iemanjá é sincretizada com Nossa Senhora dos Navegantes. As cerimônias são comumente feitas à beira-mar, no litoral gaúcho. A imagem da santa vai até o porto, onde as embarcações param e são recepcionadas por devotos que carregam a imagem de Iemanjá. Também ocorrem em rios, como em Porto Alegre (Rio Guaíba). Em Santa Catarina, é realizada anualmente no dia 02 de fevereiro, na Praia Central de Balneário Camboriú a Festa em homenagem a Iemanjá. 

Na capital da Paraíba, a cidade de João Pessoa, o feriado municipal consagrado a Nossa Senhora da Conceição, 08 de dezembro, é o dia de tradicional festa em homenagem a Iemanjá.

 

O Orixá Iemanjá sincretiza com diversas representações de Nossa Senhora, por representar a grande mãe, provedora e que acolhe os filhos em seus braços, assim como Nossa Senhora sempre acolheu seu filho, Jesus. Também conhecida como Senhora da Coroa Estrelada ou Janaina (do tupi-africano) é a deusa do mar e protetora das mães e das esposas

 

No candomblé Iemanjá é mais conhecida como Yemonja que quer dizer mãe cujo os filhos são peixes, é a senhora do rio Ógún. A mulher de Oxalá e mãe de Ogum, Oxossí, Xangô e Exu, filha de Olocum a senhora do mar.

 

Por isso mesmo, Iemanjá e símbolo da personalidade feminina, da beleza e da reprodução. Na natureza, liga-se às águas do mar (conhecido também como calunga grande). Rege também todas as substâncias que se encontram no fundo dos mares. É, também, na vibração de Iemanjá que atuam as famosas sereias e as ondinas, seres elementais da Natureza.

 

Nessa linha, apresentam-se todas as iabás (orixás femininos), Oxum, Nanã, Iansã, Obá, e outras. Iemanjá é a energia geradora, representa a mãe do Universo. Quando incorporadas, as entidades dessa linha gostam de trabalhar com água do mar, expressando-se de forma serena. Fazem uso da mecânica de incorporação emitindo sons que são verdadeiros mantras que são confundidos por lamentos devido a associação do canto das sereias. Nada impede que médiuns homens trabalhem com essas entidades pois todos tem o equilíbrio dentro de si.

 

Da linha de Iemanjá provêem as Caboclas das águas, doce e salgada, cujas falanges descarregam os terreiros e as pessoas que comparecem aos Templos, limpando fluidicamente o ambiente dos Templos e as pessoas que lá comparecem.

 

Os Caboclos e os Pretos Velhos evocam as trabalhadoras da linha de Iemanjá com grande freqüência, principalmente nos descarregos e rezas.

 

Em termos de popularidade, Iemanjá é o Orixá de maior destaque no Brasil, sendo festejado tanto na Umbanda e cultos africanos como suas festas atraem crentes de todas as religiões, como nas oferendas de final de ano nas praias de todo o país.

 

Características: sentimento maternal, afabilidade e doçura; apego à hierarquia, retidão e alguma rigidez; determinação, responsabilidade e força.

Cores: branco transparente. Sua conta é feita de contas de cristal translúcido, transparentes, na Umbanda.

Oferendas: flores brancas (rosas, palmas, crisântemos, etc), champanhe ou água mineral, espelho, perfumes, jóias.

Locais: mar e praia.

Saudação: Odôia! Odôfeiabá! (Salve a Senhora das Águas!)

Dia da semana: sábado

 

PONTOS CANTADOS:

 

Mãe d’Água,
Rainha das Ondas,
Sereia do Mar,…
Mãe d’Água,
Teu canto é bonito,
Quando faz luar,…

Auê, auê, Yemanjá !…
Auê, auê, Yemanjá !…
Rainha das Ondas,
Sereia do Mar. (bis)

Como é lindo o canto de Yemanjá,
Faz até o pescador chorar,
Quem escuta, a Mãe d’Água, cantar…
Vai com Ela p’ro fundo do mar.

 

********************

Vem sobre as ondas do mar,
O veleiro do senhor,
Estava na beira da praia,
Quando o veleiro atracou,
Ela é a Rainha do Mar,
É Yemanjá quem chegou,
Ela vem brincar na areia,
Vem do mar essa linda sereia.

 

********************

Eu fui lá na beira da praia,
Para ver o balanço do mar,
Eu vi um retrato na areia,
Me lembrei da Sereia,
Comecei a chamar,…
O Janaína, vem, vem,
O Janaína, vem cá,
Receber estas flores,
Que eu venho te ofertar. (bis)

Brilha, brilha, as ondas no mar…
Brilha, brilha, as ondas no mar…
E nas ondas eu vejo,
Nossa Mãe Yemanjá,
Rainha do Céu, da Terra e do Mar. (bis)

E o mal deste(a) filho(a),
As ondas vão levando,
Conchinhas rolando,
Sereia cantando,
E a Yemanjá,
Eu vou saravando. (bis)

Ó doce Iába ! Ó doce Iába !

 

**************************

Ó que barco tão lindo!…
Que vem sobre as ondas do mar!…
Ele trás as vibrações,
De nossa Mãe Yemanjá!…(bis)
Yemanjá! Yemanjá!
Ela é a Rainha do Mar! (bis)
Ó doce Iába !
Ó doce Iába !
Brilhou, brilhou, brilhou,
Brilhou no mar!
O manto de nossa Mãe Yemanjá!…(bis)
Brilhooouuu!… Brilhou no mar!…
O manto de nossa Mãe Yemanjá! (bis)
Ó doce Iába !
Ó doce Iába !
A marola no mar vai levando…
Yemanjá é que vai navegando…
A marola no mar vai levando…
Yemanjá é que vai navegando…(bis)
Ó doce Iába !
Ó doce Iába !

 


 

 

» Publicidade

 

 

 

» Redes Sociais

 

 

» Campanhas

 

 

 

 

 

Home  |   Apostilas   |   Nossa Loja Virtual   |   Contato

Site desenvolvido por: Genuína Umbanda - Todos os direitos reservados

 

Copyright © 2007-