Home

Loja Virtual

Apostilas

Web Rádio

Cadastre-se

Contato

 

Menu

 » Home

 » A Umbanda

 » Os Orixás

 » Entidades e Falanges

 » Linha do Oriente

 » Sincretismo

 » Exú e Pomba-Gira

 » Zé Pelintra

 » As Ervas na Umbanda

 » Defumador

 » Fumo e Bebidas

 » Mediunidade

 » A Glândula Pineal

 » Os Chacras

 » Mensagens

 » Artigos

 » Orações e Preces

 » Rezas

 » Temas Variados

 » Pontos Cantados

 » Letras de Pontos

 » Pontos Riscados

 » Dicionário da Umbanda

Serviços

 » Apostilas

 » Campanhas

 » Nossos Banners

 » Prêmios Recebidos

 » Links Relacionados

Loja Virtual

 

Confira !

 

Recomende

 

Redes Sociais

 

LETRAS DE PONTOS - IANSÃ

 

 

 

 

Na mata eu vi

Lá na mata senti

Quanta força tem o vento

Quanta força tem o vento

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

Ô Mamãe de Aruanda

venta aqui venta no mar

Ô Mamãe  de Aruanda

venta aqui venta no mar

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

Ae din din

Ae din da

Oia Matambá de aruê

Oia  Matamba de aruá

Oia Matambá

Eta dendê- bis

Caboclo é da moruganga

O Iansã

Oia matamba

Eta dendê

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

Iansã cadê Ogun,

Foi pro mar

Iansã cadê Ogun,

Foi pro mar

Iansã penteia, os seus cabelos macios

Quando a luz da lua cheia

Clareia as águas do rio

Ogun sonhava

Com a filha de Nanã

E pensava que as estrelas

Eram os olhos de Iansã

Mas Iansã cadê Ogun

Foi pro mar (bis)

Na terra dos orixás o amor se dividia

Entre um Deus que era de paz

E o outro que combatia

Como a luta só termina

Quando existe um vencedor

Iansã virou rainha da coroa de Xangô

Mas Iansã cadê Ogun

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

Ô Iansã menina

Ë do cabelo louro

Sua espada é de aço

Sua coroa é de ouro

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

O Iansã oba

Sopra-me ê ê

O Iansã oba

Sopra-me ê ê

Sopra-me êê Iansã

Sopra-me êê

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

Eram duas ventarolas

Duas ventarolas

Que ventavam o mar

Uma era Iansã

Arerê

A outra era Iemanjá

E eparrê

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

Ela é, uma moça bonita

Ela é, dona do Jacutá

Parrê, parrê, parrê

Minha Mãe no reino

Com a pemba na mão

E eu quero ver

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

Santa Bárbara virgem

Dos cabelos louros

Ela vem descendo

Pela escada de ouro

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

Guena, Guena, pô pô

Vai n’Angola gira

Samba rê rê, oh ! quirombô

Santa Bárbara do Jaracutá

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Iansã Iansã

Segura seu arere Iansã – bis

Oh Iansã – bis

Segura seu arere Iansa

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

Iansã

Orixá de Umbanda

Rainha do nosso congá

Saravá Iansã lá na Aruanda

Eparrei, eparrei,

Iansã venceu demanda

Iansã

Saravá pai Xangô

No céu o trovão roncou

E lá na mata o leão bradou

Saravá Iansã

Saravá Xangô

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

Ventou nas matas

Ventou nas pedreiras

E ventou forte

Nas cachoeiras

Não era Oxossi

Nem é Xangô

E Iansã com seu patacoto

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

No amanhecer

É que a estrela brilha

No amanhecer, nos ilumina

Iansã Senhora do amanhecer

Sua espada brilha

Pra nos proteger

 

É Oiá Iansã com sua luz

É Oiá, Iansã quem nos conduz  - BIS

 

Ao rodopiar traz o vento

E a chuva cai

Pra lavar a terra

Semear a paz – bis

 

É Oiá Iansã com sua luz

É Oiá, Iansã quem nos conduz  - BIS

 

É Santa Guerreira

Se preciso for

Pra acabar com a guerra

Semear o amor –bis

 

É Oiá Iansã com sua luz

É Oiá, Iansã quem nos conduz  - BIS

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

Quede quede Oia

Quede quede Oia

Oh mamãe de Aruanda já curimbou

Ai quede quede

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

Iansã o seu leque é de ouro

Vem do céu, Oxalá quem mandou

Para salvar os seus filhos Iansã

Na hora da agonia e da dor

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

Iansã cadê Oxum

Oxum está nas ondas do mar

Ela é dona de gongá

Salve Oxum Nanã

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

Saravá Iansã

Dos cabelos louros

Seu luar tem prata

Sua coroa tem ouro

Ê, ê, ê, ê

Ê, ê, ê, á

Saravá Iansã

Rainha do Jacutá

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

Santa Bárbara aonde mora

Mora dentro da lua

Mora dentro do lajedo

Mora dentro da lua

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Ventou mas que ventania – bis

Iansã é nossa mãe, Iansã é nossa guia – bis

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

Eram duas ventarolas,

Duas ventarolas,

Que iam navegar

Uma era Iansã, eparrei,

A outra era Iemanjá, odociá.

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

Iansã tem um leque de pena

Pra abanar dia de calor,

Iansã mora na pedreira

Eu quero ver

Meu Pai Xangö

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

Iansã é moça uma bonita,

Rainha do seu Jacutá,

Eparrei, eparrei, exare,

Oh! Mamãe de aruanda,

Ilumina o terreiro,

Que eu quero ver,

Eu quero ver.

  

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

Iansã

Oia divina dos axés

Eparrei Oia

Santa Bárbara ela é

Já trovejou relampejou

Cadê Oia Xangô

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

O cálice bento ela segurou

Uma espada sagrada ela que arriou

Eparrei oia

Eparrei oia

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

Iansã ela é dona do mundo

Dona do fogo da faísca e do trovão

Eparrei Iansã na Aruanda

Santa Bárbara com a espada na mão

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

Oh Nanã , Nanã Boroquê

Iansã moça rica

Vem nos socorrer

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

Moça rica com sua espada luminosa

Sua espada é cravejada de brilhantes

Quimbanda auê, quimbanda auá

Santa Bárbara do Jaracutá

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

Oh Inhacita, corre Umbanda

Oh Inhacita Milonguê

(bis)

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

Cindá miná gonguê a ê a ê

Cindá miná gongá

Ai como cinda dê

Ociará orô

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

O vento que te trouxe é o que te leva para o mar

Auê, auê, Auê minha mãe Iansã

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

Deí deí ela vai beirando o mar

Deí deí ela vai beirando o mar

Iansã já  vai embora

Ela vai beirando o mar

Deí deí

Ela vai beirando mar


:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

Mãezinha, Minha Mãezinha

O vento te trouxe, a brisa leva

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

Oh minha Santa Bárbara

É hora

Filhos de Umbanda, Mamãe

Sempre aqui choram

 

 

Voltar ao Índice

 

 

 

 

 

Home | Recomende este site | Contato


© Copyright Genuína Umbanda - Todos os Direitos Reservados